4 March 2021
O contacto entre o Japão e Portugal deixou marcas duradouras. A língua portuguesa foi, no século XVI, língua franca naquela zona do globo. Ainda hoje há inúmeros vocábulos de origem portuguesa.

“Arte Namban” em exposição no Museu do Oriente

“Encomendas Namban. Os Portugueses no Japão da Idade Moderna” é uma exposição original e inédita que vinca e evidencia a presença portuguesa no Oriente, onde é marcadamente notória a nivel comercial mas também a nivel religioso. 
De salientar que a Companhia de Jesus tinha a sua influência bem evidente por exemplo em Nagasaqui, cidade que lhes foi oferecida pelos japoneses.

Segundo dados históricos os portugueses terão chegado ao Japão entre 1542/1543.
O Japão era conhecido desde o tempo de Marco Polo, que lhe chamou Cipango, mas terão sido efectivamente os portugueses os primeiros europeus a chegar ao Japão, e os japoneses puseram-lhes de imediato um nome: “namban jin” o que significa “os homens feios do sul”.
E é sobretudo este percurso e esta passagem de portugueses por território japonês, percurso que termina oficialmente com a sua expulsão em 1587 que é retratada nesta exposição. 
O certo é que comerciantes portugueses desde logo começaram a negociar com o Japão. A partir de 1550, o comércio com o Japão passou a ser intenso e especialmente muito lucrativo.
Em 1557 os portugueses ao estabelecerem-se em Macau, na China, aumnetam ainada mais o comércio com o Japão sobretudo no que se refere à prata.
Por outro lado os missionários, os jesuítas que chegam ao Japão em 1549 vão solidificar estas relações cordiais.

Foi com os portugueses que entrou no Japão a imprensa de tipo metálico, sendo um missionário português quem escreveu a primeira gramática da língua japonesa.
Foram também os portugueses que introduziram no Japão as armas de fogo, além de novos conhecimentos nos domínios da medicina, astronomia.

E é a História, melhor um pedaço da História de Portugal no mundo que se vê e se comprova nesta extraordinária exposição que está patente no Museu do Oriente.
Nos quatro núcleos em que a exposiçaõ está dividida está bem patente a evolução destas relações comerciais e religiosas através de artefactos que demosbtram bem a presença portuguesa no Japão que a influência que a cultura dos “namban jin” teve num povo que embora influenciado nunca perdeu as sua referências culturais.
O Museu do Oriente está de parabéns por esta iniciativa bem como a curadora da exposição Alexandra Curvelo.

 

FONTE: Hardmusica

 

VEJA: ENCOMENDAS NAMBAN (Museu do Oriente)

Também poderá gostar

Sem comentários