Caracas, 08 jun (Lusa) – Angola e a Venezuela acordaram terça-feira a realização de projetos conjuntos de exploração mineira e certificação de diamantes, anunciou hoje o vice-ministro venezuelano do setor mineiro, Richar Lozada.

O anúncio foi feito após um encontro na terça-feira, em Caracas, com a embaixadora da República de Angola, Filomena da Cunha, durante o qual os dois responsáveis falaram sobre as oportunidades de desenvolvimento local para investidores nacionais e estrangeiros.

Essas oportunidades têm a ver com o Arco Mineiro do Orinoco (AMO), uma zona situada a sudoeste de Caracas, com 111 mil quilómetros quadrados, onde, segundo as autoridades venezuelanas, existem jazidas de outro, níquel, coltan, pedras preciosas, ferro, bauxite e outros minerais com um alto valor industrial.

O desenvolvimento do AMO faz parte da Agenda Económica Bolivariana e visa o reequilíbrio da economia venezuelana, afetada pela descida dos preços internacionais do petróleo, estimando-se.

O Governo venezuelano apresentou, recentemente, propostas de exploração de ouro, diamantes, ferro e alumínio, a 35 países, revelando que o AMO possui à volta de 200 milhões de toneladas de bauxite e 44 mil toneladas de outros minérios, como ouro ou diamantes.

A Venezuela está a trabalhar para ser reincorporada como membro pleno do Sistema de Certificação Processo Kimberley, de modo a comercializar diamantes segundo a regulamentação internacional, numa estratégia que visa diminuir a excessiva dependência do país em relação aos preços do petróleo.

FPG // PJA – Lusa/Fim

 

Partilhar