Segundo analistas, a crise financeira internacional, em 2008, afetou a estratégia de promoção do idioma. Muitos apostavam numa parceria entre Angola, Brasil e Portugal para financiar os custos da iniciativa.

Mas para o embaixador angolano, a conta da promoção não pode ficar nas mãos de alguns, tem que ser uma tarefa de todos.
“Não pode ficar só nas mãos de Brasil e Angola terá que ficar nas mãos de todos. Eu acho, perfeitamente, possível aos vários países colocarem aqui os seus quadros de língua portuguesa e que possam ser membros do staff das Nações Unidas e que dentro das Nações Unidas possam trabalhar também em língua portuguesa.”

Unesco

Segundo o embaixador de Angola, a presença do português tem crescido nas Nações Unidas e outras organizações internacionais. Ele lembrou a celebração do Primeiro Dia da Língua Portuguesa, no mês passado, na sede da ONU, e citou a atuação do idioma em algumas agências.

“A nível da própria Unesco o português é uma das línguas oficiais. Aqui na Assembleia Geral, temos feito circular documentos com tradução para a língua portuguesa. Mas para além deste esforço, vai ser necessário um engajamento inclusive com meios financeiros.”

As línguas oficiais das Nações Unidas são árabe, chinês, espanhol, francês, inglês e russo. O português é falado como língua oficial em oito países que vão das Américas à Ásia. Ler o artigo completo

 

LER: Colóquio “A Língua Portuguesa nas Organizações Internacionais”