5 March 2021
O escritor brasileiro Rubem Fonseca, galardoado hoje com o prémio maior das Correntes d`Escritas, confessou à plateia do Casino da Póvoa o seu amor pela língua portuguesa, poesia e por Portugal.

“Amo a língua portuguesa, que vai durar pela eternidade”

“Amo a língua portuguesa, lindíssima, que vai durar pela eternidade”, afirmou o escritor, que é avesso a entrevistas e que há anos vinha sendo convidado para estar presente no evento literário que vai na sua 13.ª edição.

Dando uns curtos passos, de microfone na mão — “eu sou a pessoa peripatética, para falar tenho de andar, apesar de ter uma luxação no joelho”, Rubem Fonseca declarou que já “tinha vindo a Portugal”, mas que estava “encantado com esta cidade e com as pessoas daqui”, numa alusão à Póvoa de Varzim.

“Eu sou neto de portugueses, tenho sangue português e orgulho-me disso”, afirmou o escritor, de 87 anos, que recordou que o pai lhe lia sonetos de Camões, um pretexto para afirmar a sua preferência pela “poesia portuguesa”.

E foi com Luís de Camões que Rubem Fonseca encontrou a melhor maneira de encerrar a sua curta declaração de agradecimento, declamando, perante uma plateia emocionada, o soneto “Busca amor novas artes, novo engenho”, rematando a sua leitura com um “viva, viva a língua portuguesa”

 

FONTE: RTP

Imagem: Diário Digital

Também poderá gostar

Sem comentários