1 March 2021
As agências noticiosas mundiais de língua portuguesa lançaram hoje bases para a criação de uma plataforma de informação conjunta, numa decisão resultante da quinta assembleia-geral da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa (ALP).

Agências de língua portuguesa lançam bases para plataforma noticiosa conjunta

Do encontro, realizado em Lisboa na sede da agência Lusa, resultou o reforço do objetivo comum das agências em “difundir e tornar amplo o conhecimento da língua portuguesa”, comentou Josué Isaías, administrador da Angola Press (Angop), entidade que preside atualmente à ALP.

“O objetivo é difundir e tornar amplo o conhecimento da língua portuguesa”, disse o responsável à Lusa, admitindo que falta agora estabelecer critérios editoriais e elementos técnicos para impulsionar a plataforma.

Para o presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Nelson Breve, a ideia passa também por “otimizar o trabalho dos jornalistas” das agências, voltando-o para um mercado de 250 milhões de falantes de português.

Já de acordo com Afonso Camões, presidente da Lusa, entidade que organizou o encontro, é uma “velha ambição” da agência “criar uma bolsa de conteúdos noticiosos num espaço que é gigantesco, o da geografia” da língua portuguesa.

“Vamos trocar conteúdos noticiosos, vamos juntá-los”, disse, o que significa “enriquecer” as linhas noticiosas das agências.

O “desígnio comum” das oito agências da ALP na criação e partilha de “conteúdos da Lusofonia” foi também enfatizado pelo secretário-geral da Lusa, José António Santos.

O encontro de hoje em Lisboa formalizou também a entrada da Teledifusão de Macau (TDM) como membro observador da ALP, não podendo integrar formalmente o órgão por não ser uma agência.

Para o administrador executivo da TDM, Frederico Rosário, o “reconhecimento” das agências lusófonas representa um “reforço” da ligação entre Macau e “os países e povos da lusofonia”, sendo do interesse da empresa integrar a futura bolsa noticiosa, de modo a que as notícias em língua portuguesa possam chegar mais eficazmente ao “continente chinês”.

A ALP, criada em Lisboa, em julho de 1996, durante o Fórum da Comunicação realizado nessa altura no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), integra as agências noticiosas RádioBras (Brasil), Inforpress (Cabo Verde), AIM (Moçambique), ANG (Guiné-Bissau), Lusa (Portugal), Angop (Angola) e STPress (São Tomé e Príncipe).

 

PPF.

Lusa/fim.

Foto: LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários