Bissau, 26 out 2022 (Lusa) – O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, defendeu hoje em Kiev que África pode “fazer a ponte para o reencontro” entre Ucrânia e Rússia e afirmou que a a posição da Guiné-Bissau em relação à guerra ficou patente na ONU.

Umaro Sissoco Embaló, que visitou Moscovo e Kiev como presidente em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), disse hoje que tanto a Rússia como a Ucrânia são parceiros, mas “infelizmente estão em guerra neste momento”.

“Foi por isso que antes de sair da Rússia [disse isso]. É uma questão inegociável. Não podia ter vindo apenas à Rússia sem passar por Kiev para ver o meu irmão. Eu sou um homem independente. Os meus amigos sou eu que os escolho. São meus amigos. Eu não sou alguém a quem se possa impor amizades”, afirmou, numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

O chefe de Estado guineense disse também que pode chamar “irmão” ao Presidente ucraniano, como pode chamar o mesmo ao homólogo russo, Vladimir Putin, com quem se reuniu na terça-feira.

“Porque um dia vão encontrar-se. É por isso que nós trouxemos uma mensagem de paz para os nossos dois irmãos. Podemos fazer a ponte para o reencontro”, disse, salientando que não se pode ter “outras interpretações” da posição guineense.

“A nossa posição nas Nações Unidas a Ucrânia sabe. O Presidente [Zelensky] acabou de me felicitar pela posição da Guiné-Bissau na Assembleia Geral. Isso demonstra qual é a posição da Guiné-Bissau. Estive ontem [terça-feira] com o Putin. Se o Presidente Putin pensa que a Guiné-Bissau e África podem encontrar uma solução para a paz, nós somos os primeiros a militar por isso”, afirmou Umaro Sissoco Embaló.

O Presidente guineense respondia à questão de um jornalista relacionada com alguma ambiguidade na posição da Guiné-Bissau sobre a guerra.

A Guiné-Bissau votou na Assembleia Geral da ONU a favor de uma resolução que condenou as “anexações ilegais” russas de territórios ucranianos.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra, que hoje entrou no seu 245.º dia, 6.374 civis mortos e 9.776 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

MSE/MB // JH – Lusa/Fim

VER:

Ucrânia: Presidente da Guiné-Bissau apela ao diálogo em visita a Putin em Moscovo

Ucrânia: PR guineense é o primeiro líder africano a visitar o país e “ouvir a verdade” – Zelensky

Partilhar