As novas regras do acordo ortográfico ainda geram bastante discussão, apesar de a assinatura ter sido feita em 1990. O acordo, que visa padronizar a ortografia da língua portuguesa e facilitar o processo de intercâmbio cultural e científico entre os países, além de ampliar a divulgação do idioma e da literatura, foi assinado primeiro por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Timor-Leste ainda não era uma nação independente na época da assinatura, por isso, só aderiu ao acordo em 2004.

Cada país definiu os prazos para a entrada em vigor do novo acordo. Em Portugal, por exemplo, a reforma foi ratificada e promulgada em 2008 e as novas regras entraram em vigor em maio de 2009, com a previsão de se tornarem obrigatórias em seis anos a partir da data. Já no Brasil, as novas regras já estão em uso, porém sem obrigatoriedade, desde 1º de janeiro de 2009.

Aprincípio, as medidas se tornariam obrigatórias a partir de janeiro de 2013, mas o governo brasileiro preferiu dar mais tempo para a implantação e adiou a obrigatoriedade para 2016, já que vários brasileiros ainda têm dúvidas sobre as mudanças ocorridas. Mas, segundo o professor de Língua Portuguesa Lúcio Manga, essa data ainda pode ser adiada. “O governo pode alegar que não está preparado e jogar essa data mais para a frente”.

Lúcio questiona a eficácia da nova ortografia. “A lei não ajudou muito, porque muitas palavras e expressões não são de uso comum, algumas são muito técnicas”. O professor explica que algumas provas já exigem o uso da nova ortografia. O Enem, por sua vez, ainda aceita as duas formas de escrita, mas isso vai mudar com a implantação da nova ortografia.

A dica é o aluno aproveitar esse período de não-obrigatoriedade para estudar as mudanças e não apenas confiar em corretores ortográficos, que podem comprometer – e muito! – o aprendizado. “Tem que pegar o dicionário da nova ortografia e gravar, tem que ser uma consulta diária. Hoje temos facilitadores como os corretores ortográficos e a internet, que as pessoas usam como busca. São ferramentas importantes, mas, ao mesmo tempo, reduzem a preocupação que a pessoa tem sobre como escrever. Numa prova de redação os erros aparecem porque ele não está acostumado com essa escrita”, afirma Manga.

Palavras soltasUma boa dica é usar e abusar do aplicativo “Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp)”, lançado pela Academia Brasileira de Letras (ABL). Com ele, é possível ter acesso gratuito em smartphones e tablets aos quase 400 mil verbetes que já seguem as novas regras previstas no acordo ortográfico e ter uma solução rápida para tirar dúvidas de como se escreve alguma palavra.

Confira as mudanças:
Alfabeto
Hoje com 23 letras, ele passa a ter 26. O, k, w e y voltam ao alfabeto oficial, já que o acordo entende como um contrassenso haver nomes próprios e abreviaturas com letras que não estavam no alfabeto oficial (caso de kg e km).

Trema
Somem de toda a escrita os dois pontos usados sobre a vogal “u” em algumas palavras, mas eles mantêm o som. Assim, em “linguiça”, o “ui” continua a ser pronunciado. A exceção é para nomes próprios, como Hübner.

Acento diferencial
Também desaparece da escrita. Por exemplo: pelo (por meio de, ou preposição + artigo), pêlo (de cachorro, ou substantivo) e pélo (flexão do verbo pelar) passam a ser escritos da mesma maneira. A exceção é para os verbos pôr e pode, que geram dificuldade para diferenciar o verbo no presente ou no passado. Ler o artigo completo.

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar