Londres, 26 jun 2021 (Lusa) – A “descolonização do currículo” e as variantes da língua portuguesa vão estar em debate hoje em Glasgow, Escócia, num simpósio da Tropo UK, a Associação de Professores e Investigadores de Língua Portuguesa no Reino Unido.

Professores e académicos vão discutir questões relacionadas com as “variedades, ou variantes, da língua portuguesa no contexto da descolonização do currículo”, adiantou a organização, a cabo do departamento de Português da Universidade de Glasgow.

O tema surgiu do incentivo, sobretudo no último ano, da instituição britânica a docentes e alunos para analisarem o impacto da colonização no programa letivo, tendo inclusivamente criado um centro de estudos sobre a escravatura.

Sensibilizado por esta questão, Luís Gomes, coorganizador e professor de português naquela universidade, considera importante debater a descolonização do ensino do português como língua estrangeira, segunda língua e língua de herança.

“Em certa medida, ainda há uma sensação de que Portugal é o dono da língua portuguesa, quando na verdade a maior parte dos países que falam português têm mais falantes do que Portugal, salvo algumas exceções. É uma questão que está muito presa na língua portuguesa, mais do que noutras línguas, como o inglês”, disse Luís Gomes à agência Lusa.

Isto reflete-se, refere, na ideia existente em muitos dos membros da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), como Moçambique, de que é mais correto o “português de Lisboa ou o português de Viseu” do que a própria variante ou sotaque local.

Outro exemplo é o facto de o português de Cabo Verde ser normalmente denominado por ‘crioulo’ e não visto como uma variante do português ou português de Cabo Verde.

“Tem a ver com o aspeto das variantes, dos sotaques, que na verdade são variedades do português, são línguas que são diferentes, mas são a mesma língua portuguesa”, argumentou Gomes, questionando: “Se há o português do Brasil e português europeu, porque é que não há o português de Angola ou de Moçambique ou da Guiné?”.

A discussão, disse Gomes, não pretende influenciar necessariamente decisões políticas, mas contribuir para a forma como os professores trabalham, ensinando e aceitando diferentes formas de escrever e falar português.

A apresentação do “Dicionário do Português de Moçambique (DiPoMo)” pela coordenadora, Inês Machungo, da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, vai abrir o simpósio e lançar o debate.

Numa mesa redonda vão estar a presidente do conselho científico do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), Margarita Correia, a diretora da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura e antiga presidente do instituto Camões, Ana Paula Laborinho, e o ‘rapper’ brasileiro Vinicius Terra, bem como os professores Fernando Venâncio (Universidade de Amesterdão), Francisco Calvo del Olmo (Universidade Federal do Paraná, Brasil) e Sílvia Melo-Pfeifer (Hamburgo, Alemanha).

BM // LFS – Lusa/Fim

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar