28 February 2021
...quando mencionou 1973 como o ano em que o árabe ganhou o estatuto de língua oficial das Nações Unidas, não pude deixar de recordar que esse foi precisamente o tempo do "choque petrolífero", em que o mundo percebeu melhor a sua dependência face ao petróleo dos países do Golfo...

A força institucional das línguas depende muito do poder económico dos países que as falam e as impõem

A nossa língua continua a ser tema recorrente de debate. E ainda bem. Ontem, intervim no I Congresso Internacional de Língua Portuguesa, uma oportuna iniciativa do Observatório da Língua Portuguesa, com participação de representantes de vários Estados em que o português se fala.

Foi um interessante momento de discussão sobre o modo de promover o estatuto internacional da terceira língua europeia mais falada no mundo, a língua mais falada no hemisfério sul – para usar duas imagens utilizadas por Guilherme Oliveira Martins, que moderou o painel em que participei. Deixei várias “dicas” para o trabalho junto das organizações multilaterais, à luz da minha experiência.

A realidade é que, já hoje, “o crescimento económico fala português”, como sugestivamente lembrou a minha companheira de debate, a professora Maria Isabel Tavares. Quando, durante a sua intervenção, mencionou 1973 como o ano em que o árabe ganhou o estatuto de língua oficial das Nações Unidas, não pude deixar de recordar que esse foi precisamente o tempo do “choque petrolífero”, em que o mundo percebeu melhor a sua dependência face ao petróleo dos países do Golfo. É que a força institucional das línguas depende muito do poder económico dos países que as falam e as impõem.

 

Fonte: duas ou três coisas

notas pouco diárias de Francisco Seixas da Costa

Também poderá gostar

Sem comentários