A criança é paraíso, a criança é utopia, a criança é promessa.

As religiões e as civilizações, de um modo geral, observam o universo da criança com especial simpatia e carinho. Grandes textos fundadores das religiões fazem da infância a fase da vida mais privilegiada para viver e exprimir mais autenticamente a fé e a harmonia entre o meio humano, o meio divino e a comunhão com a natureza. “Da boca dos pequeninos e das crianças de peito fizestes sair o louvor perfeito” (Mt 21, 16; Sl 8, 3), conforme um salmo bíblico recordado por Jesus de Nazaré, constituindo a infância como o modelo da vida religiosa mais genuína.

Com efeito, a infância tendeu e tende, como denominador mais recorrente no quadro das heranças culturais da humanidade, a ser apresentada como um tempo singular, a fase etária da transparência espiritual e psicológica, em que o ser humano ainda não foi toldado pelos fatores sociais, pelos costumes que o corrompem e o tornam menos autêntico nas relações com os outros e com o universo sagrado.

A infância tende, pois, a ser apresentada como referência positiva e como utopia da vida espiritual e, em alguns casos, da vida social. O mundo da infância tem potencialidades simbólicas extraordinárias, que a cultura das religiões soube explorar no quadro dos programas de vida que propõe, tendo como horizonte o aperfeiçoamento humano, a construção de uma humanidade melhor. A experiência da infância é avocada para simbolizar o paraíso perdido, a infância da humanidade, a idade de ouro primigénia da história, para onde se deseja retornar ou que se pretende reconstruir de forma perfeita: a idade em que o lobo brinca com o cordeiro e o menino recém-nascido mete as mãos na toca da serpente e não será mordido, como sonha uma passagem do profeta Isaías (cf. Is 11, 6-9), idealizando a era messiânica de paz e fraternidade entre todos os seres criados.

De algum modo, aqui reside o paradoxo da ideia de criança como ideal do passado a recuperar, como utopia a realizar e como promessa a cumprir. A criança é representada, com efeito, entre o modelo ideal e a representação do inacabado, do prometido em ordem a uma realização maior.

As extraordinárias potencialidades naturais e simbólicas da criança e do seu universo imaginante e imaginado fazem do tempo infantil um tempo privilegiado, um tempo de promessa por excelência. É a promessa do futuro da humanidade, da sua continuidade e da aspiração a uma vida melhor. É a promessa do amadurecimento individual e coletivo.

Todavia, a criança e o seu universo, enquanto promessa e espaço de inocência, são marcados por uma enorme sensibilidade e fragilidade, que sempre requereu e continua a requerer, cada vez mais, da parte da cultura normativa instrumentos de proteção e cuidado social, moral, espiritual. A vulnerabilidade da infância torna-a um alvo fácil das tentações, dos vícios e dos desmandos dos adultos. Por isso, a grandeza de uma sociedade e, mais ainda, de uma civilização mede-se, em grande medida, pela forma como acolhem e protegem a promessa extraordinária que uma criança é. Hoje em dia, o mundo da criança está sujeito a perigos e a ataques de toda a ordem, que importa acautelar. As religiões e a cultura que geraram tiveram especial atenção à proteção das crianças e ao seu crescimento saudável em todos os planos. A sabedoria das religiões e das civilizações que modelaram é, sem dúvida, uma fonte de referência para a dignificação da criança no nosso tempo cheio de contratempos.

Nota: Boa parte deste texto foi preparado para servir de base à “Introdução” da Celebração do Tempo 2021 – Calendário Inter-Religioso, publicada pelas Edições Paulinas com o apoio do ACM- Alto Comissariado para as Migrações.

 

close
Subscreva as nossas informações
The following two tabs change content below.

José Eduardo Franco

José Eduardo Franco (1969). Medina de Gouveia (pseudónimo literário principal). Historiador. Investigador-Coordenador com equiparação a Professor Catedrático da Universidade Aberta, Titular da CEG - Cátedra de Estudos Globais/CIPSH e coordenador de linhas de investigação do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa). saiba mais 

últimos artigos de José Eduardo Franco (ver todos)

Partilhar