Macau, China, 13 dez (Lusa) – Os portugueses Nuno Lopes e Marco Martins venceram hoje os prémios de melhor ator e melhor realizador, respetivamente, com o filme “São Jorge” no primeiro Festival Internacional de Cinema de Macau.

O realizador recebeu os dois prémios em Macau e Nuno Lopes, que está em Lisboa a ensaiar a peça “A Noite da Iguana”, de Tennessee Williams, que vai estrear em janeiro no S. Luís, agradeceu o galardão numa declaração em vídeo.

“São Jorge”, que conta a história de um pugilista desempregado que trabalha em cobranças de dívidas para sobreviver, fez a sua estreia na Ásia em Macau, entre os 50 filmes de mais de 20 países e regiões apresentados neste festival.

“É uma honra para mim”, disse Nuno Lopes, numa declaração em vídeo difundida na cerimónia da atribuição dos prémios.

O ator português agradeceu ao treinador de boxe que o ajudou a preparar o papel e dedicou o prémio ao “melhor amigo e melhor realizador, Marco Martins”.

Nuno Lopes já tinha vencido o Prémio Especial de Melhor Ator na secção “Orizzonti” do Festival Internacional de Cinema de Veneza, em setembro, pelo mesmo papel.

Ao receber o prémio de melhor realizador, Marco Martins disse “que foi muito difícil fazer este filme” e recordou que tinha demorado cinco anos a concluí-lo.

O realizador agradeceu, entre outros, aos residentes do bairro da Jamaica, no Seixal, e Bela Vista, em Setúbal, que acreditaram no filme. “Talvez eles estivessem certos e nós estivéssemos certos”, disse.

O prémio de melhor filme foi atribuído a “The Winter” (Argentina), de Emiliano Torres, e “Free Fire” (Reino Unido) ganhou o prémio de melhor argumento.

“Elon não acredita na morte”, do realizador brasileiro Ricardo Alves Jr., em estreia internacional em Macau, ganhou o prémio de melhor contribuição técnica.

“Agradeço ao festival e espero que continue por muitos anos (…) e que faça o mais importante, que é o encontro com a tela”, disse Ricardo Alves Jr.

O prémio de melhor atriz coube a Lyndsey Marsal, pelo papel no filme “Trespass Against Us” (Reino Unido), e o prémio de melhor jovem atriz foi arrebatado por Jennifer Yu, pelo desempenho em “Sisterhood”, filme da realizadora de Macau Tracy Choi, que venceu o prémio do público.

Os nove prémios, incluindo melhor filme, melhor realizador, melhor ator e/atriz ou melhor argumento, foram atribuídos pelo júri presidido pelo realizador e produtor indiano Shekhar Kapur.

Havia ainda uma categoria designada “Premio do júri”, que venceu “Trespass Against Us”, de Adam Smith.

No domingo, os cineastas portugueses João Pedro Rodrigues e João Guerra da Mata ganharam um financiamento de 10 mil dólares para o projeto “San Ma Lo 270”, uma longa-metragem, no mesmo festival.

Doze projetos foram apresentados ao longo de três dias a um júri internacional, com potenciais coprodutores ou distribuidores, e “San Ma Lo 270” (uma morada em Macau) foi um dos premiados, disse à Lusa João Guerra da Mata.

O Festival Internacional de Cinema de Macau, que terminouho foi organizado pela Direção dos Serviços de Turismo de Macau e pela Associação de Cultura e Produções de Filmes e Televisão de Macau.

O italiano Marco Müller, que esteve à frente de festivais de cinema como o de Veneza, Roma ou Locarno, foi escolhido no início do ano para dirigir o Festival, mas em novembro demitiu-se, invocando divergência de opiniões.

A diretora dos Serviços de Turismo e presidente da comissão organizadora, Helena de Senna Fernandes, acumulou a função de diretora substituta do festival.

O Festival Internacional de Cinema de Macau teve um orçamento de 55 milhões de patacas (6, 1 milhões de euros), dos quais 20 milhões (2, 2 milhões de euros) assegurados pelos Serviços de Turismo.

FV (DM/SS/MP/ISG) // VM – Lusa/Fim

Partilhar