Redação, 02 mai (Lusa) – O processo de escolha da “Palavra do Ano” inicia-se na quinta-feira em Portugal e, pela primeira vez, em Angola e Moçambique, anunciaram os organizadores, que contam com o apoio do Camões – Instituto da Cooperação da Língua neste projeto.

A iniciativa da Porto Editora e das suas chancelas africanas Plural Editores visa escolher a palavra que, segundo os cibernautas de cada um dos três países, mais se destacou ao longo do ano.

Em Portugal os cibernautas podem apresentar as sugestões para “Palavra do Ano” em www.palavradoano.pt; em Angola, onde na quarta-feira a iniciativa é apresentada no Centro Cultural Português em Luanda, podem colocar as suas sugestões em www.palavradoano.co.ao; e em Moçambique através do endereço www.palavradoano.co.mz.

Esta iniciativa realiza-se desde 2009 em Portugal, promovida pelo grupo Porto Editora, que celebra hoje 72 anos.

O processo de escolha da “Palavra do ano”, em cada um dos países, inicia-se simbolicamente a 05 de maio, Dia da Língua Portuguesa e da Cultura, na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), nos respetivos sítios na internet.

Para os três países, numa primeira fase do processo, que decorre até finais de novembro, são sugeridas as palavras que “mais influenciam e têm maior presença no dia-a-dia” de angolanos, moçambicanos e portugueses.

“Importa sublinhar que a lista das palavras candidatas é definida a partir das sugestões dos internautas, mas também com base no estudo da frequência e distribuição do uso das palavras, da monitorização da comunicação social e das redes sociais e, ainda, dos acessos e consultas aos dicionários digitais da Porto Editora”, adverte o grupo Porto Editora.

“No dia 01 de dezembro, a Plural Editores anunciará, em Angola e Moçambique, as respetivas dez palavras candidatas a ‘Palavra do Ano’” 2016, iniciando-se o processo de eleição final, também através dos mesmos sítios na internet.

Também em Portugal, no dia 01 de dezembro, Dia da Restauração, é anunciada a lista dos dez vocábulos candidatos à eleição da “Palavra do Ano”.

Inicia-se, então, a segunda fase de escolha da palavra, que se prolonga até ao dia 31 de dezembro, e o anúncio da palavra escolhida “será feito nos primeiros dias de 2017”, tanto em Angola, como em Moçambique e como em Portugal.

Referindo-se a esta eleição em Angola e Moçambique, fonte da Porto Editora realçou à Lusa “a força da palavra em português” e o facto de a iniciativa “alargar de sobremaneira o horizonte de uma iniciativa que começou há uns anos em Portugal”.

“A força da palavra em português assenta nos muitos milhões de falantes espalhados por todo o mundo e, nesse universo, Angola e Moçambique desempenham um papel de enorme destaque”, sublinhou a mesma fonte.

Angola tem uma população de 25, 6 milhões e Moçambique de 20, 3 milhões, segundo dados dos respetivos governos. Portugal conta 10, 4 milhões de habitantes, segundo a base de dados Pordata.

NL // ROC  – Lusa/Fim
close
Subscreva as nossas informações
Partilhar