7 March 2021
Crianças numa escola nos arredores de Díli em Timor-Leste. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Escolas de referência por abrir em Timor-Leste por falta de professores portugueses

Díli, 01 fev (Lusa) – Doze das treze escolas de referência de Timor-Leste continuam por abrir três semanas depois do arranque do ano letivo devido a atrasos no envio de professores pelo Governo português, disse fonte do Ministério da Educação timorense.

Fonte diplomática confirmou à Lusa que ainda não há data para a chegada dos entre 140 e 150 professores que devem ser distribuídos pelos 13 centros de ensino, localizados em cada uma das 13 capitais de município do país.

Estes Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE), conhecidas como escolas de referência, são o elemento mais importante do programa de apoio ao ensino do português em Timor-Leste, abrangendo mais de 7.000 alunos dos ensino pré-escolar e básico.

O protocolo existente entre Timor-Leste e Portugal para estas escolas prevê que Lisboa pague os salários dos 150 docentes que devem ser enviados para o país, cabendo a Díli o pagamento das viagens e ajudas de custo.

As escolas têm sido nos últimos anos afetadas por vários problemas, com atrasos sucessivos da parte de Portugal no envio de professores e repetidos atrasos nos pagamentos das ajudas de custo por parte de Timor-Leste, que chegam a acumular vários meses.

Os funcionários das escolas já ficaram também vários meses sem receber salários.

As escolas de referência do país deveriam ter aberto a 11 de janeiro, data do arranque do ano letivo de todas as escolas do sistema de ensino timorense, mas apenas a de Díli abriu hoje, neste caso, devido à maior experiência dos professores timorenses que ali trabalham.

Apadrinhadas pelos principais líderes timorenses, o projeto é igualmente apoiado pelo atual ministro da Educação, António da Conceição, ainda que continue a ter oposição dentro e fora do próprio Ministério.

“Atrasos como este tornam o papel de quem defende este projeto muito mais difícil”, disse à Lusa fonte sénior do Ministério da Educação timorense.

ASP // MP – Lusa/Fim
Escola de referência em Dili, Timor Leste, 25 de julho de 2014.  PAULO NOVAIS/LUSA

Escola de referência em Dili, Timor Leste, 25 de julho de 2014. PAULO NOVAIS/LUSA

 

Também poderá gostar

Um comentário
  • Escolas de referência por abrir em Timor-Leste por falta de professores portugueses. – SomosFonia
    5 Fevereiro 2016 at 19:42 -

    […] PUBLICAÇÃO > OBSERVATÓRIO LÍNGUA PORTUGUESA […]

  • ARTIGOS POPULARES