28 February 2021
Cerimónia de abertura da X Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Díli, Timor Leste, 23 de julho de 2014. PAULO NOVAIS/LUSA

1º aniversário da entrada da Guiné Equatorial na CPLP

Lisboa, 12 out (Lusa) – A utilização da língua portuguesa pela Guiné Equatorial “é um processo que pode demorar muito tempo”, reconheceu hoje em Lisboa o secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Murade Murargy, que intervinha na cerimónia para celebrar o primeiro aniversário da entrada da Guiné Equatorial na organização – que se concretizou em julho de 2014 -, sublinhou que “a aceitação em Díli é o início de um processo de integração, e há todo um percurso que tem de ser feito para que se sintam plenamente integrados no nosso seio”.

O apoio que a equipa da CPLP dá, acrescentou o responsável, é por isso “extremamente importante para que consigam reduzir as distâncias que nos separam” e que permite, “para usar as palavras que costumam usar, o retorno a casa, onde pertenciam antes, mas esse retorno leva o seu processo”.

Na curta intervenção que deu início à sessão que decorre esta tarde em Lisboa, Murargy abordou uma das questões que mais polémica tem levantado desde a entrada da Guiné Equatorial na CPLP, e que se prende com a utilização da língua portuguesa: “Não devemos rejeitá-los porque não falam português, não faz parte da nossa maneira de ser; a família CPLP é uma família de acolhimento, de carinho”, concluiu.

MBA // EL – Lusa/Fim
Cerimónia de abertura da X Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Díli, Timor Leste, 23 de julho de 2014. PAULO NOVAIS/LUSA

Cerimónia de abertura da X Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Díli, Timor Leste, 23 de julho de 2014. PAULO NOVAIS/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES