O anúncio foi feito hoje em conferência de imprensa pela ministra da Cultura de Angola, Rosa Cruz e Silva, que adiantou que estarão presentes 60 editoras.

Portugal terá a maior participação, com 11 editoras, e a nível institucional está prevista a presença de responsáveis da Biblioteca Nacional, da Direção geral do Livro e Arquivos, da Secretaria de Estado da Cultura de Portugal e do Instituto Camões.

No evento, o Brasil conta com a presença de nove editoras, Moçambique, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe participam cada um com uma editora, além dos respetivos representantes institucionais.

Paralelamente à exposição dos livros, a feira será palco de debates de diversos temas ligados à circulação, situação dos livros na CPLP, e servirá ainda para o lançamento de livros, alguns inéditos.

Na baía de Luanda, espaço que vai acolher o certame, o público poderá adquirir livros a preços baixos, com descontos de 10 por cento, fruto da subvenção do Estado, estando já previsto que o remanescente servirá para equipar as bibliotecas angolanas.

Segundo Rosa Cruz e Silva, a feira visa colocar à disposição dos jovens, com acentuada necessidade de acesso à bibliografia variada, obras dos Estados membros da CPLP sobre os mais variados domínios, nomeadamente Direito, Economia, Novas Tecnologias, Ciências Sociais e Ambiente, entre outros temas.

“Estou convencida que os jovens e estudantes vão aderir. Também vamos poder encontrar livros antigos. Estamos a trabalhar com a livraria Ultramarina, que tem muita produção científica dos anos passados, das décadas de 60 ou até antes e vai ser uma oportunidade para revisitarmos essas obras”, salientou a governante angolana.

NME // APN – Lusa/Fim

Fotos:

– Jovens consultam livros durante a abertura da Feira do Livro de Maputo, 29 de abril de 2011. ANTONIO SILVA/LUSA

– Feira do Livro do Porto, 24 de maio de 2006. ESTELA SILVA / LUSA

Partilhar