trofeu Gonzagao

Músico Mário Moita recebe Troféu Gonzagão no Brasil

Campina Grande, Brasil, 10 mai (Lusa) – O pianista, compositor e cantor Mário Moita recebe hoje, em Campina Grande, no Estado brasileiro da Paraíba, o Troféu Gonzagão, na sua 11.ª edição.

“O Instituto Intercultural Brasil tem a honra de conceder Homenagem Especial do Troféu Gonzagão ao pianista, cantor e compositor de fado Mário Moita”, lê-se no comunicado hoje divulgado.

O prémio é entregue ao “irretocável pianista e cantor Mário Moita em reconhecimento ao seu talento incontestável”.

“Além de ser reconhecido como um dos maiores pianistas e cantores de fado do mundo, o exímio artista é responsável por divulgar a cultura e música portuguesa internacionalmente”, refere o mesmo documento.

Mário Moita recebe o prémio hoje, no Teatro do Centro de Convenções Raymundo Asfora, em Campina Grande.

O músico tem atuado, com regularidade, desde 2006, no Brasil, tendo por duas vezes participado na “Virada cultural”, iniciativa que, anualmente, anima as ruas da cidade de S. Paulo, durante 24 horas consecutivas

No próximo sábado, o músico atua no Grande Teatro Guistavo Leite, em Maceió, capital estadual de Alagoas, no dia 26 no Teatro SESC Santo André, em S. Paulo, durante duas noites seguidas, tendo previstas atuações em junho novamente nesta cidade e em Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais.

“Alentejo ao Piano” é um dos seus mais recentes álbuns, no qual recupera a música popular do Alentejo, região de onde é natural.

O álbum inclui temas como “Rama”, “Saias”, “Ao romper da bela aurora”, “Laranja da China”, “Ai, Ai meus senhores” e “Não quero que vás à monda”, num total de 14 temas.

O CD “Alentejo ao Piano” sucedeu ao álbum “Fado e Canções Navegantes”, editado em setembro de 2011 em 65 países, e que o pianista definiu à Lusa como “um disco de música de fusão a partir do fado”.

Mário Moita recuperou a tradição oitocentista de interpretar o fado de Lisboa ao piano, tendo editado o CD “Fado ao piano”, em que inclui um inédito de Alberto Janes, musicado por si, “O luar é meu amigo”, e editou um livro/CD sobre a história de fado, que apresentou em 2007.

Em 2010, Mário Moita realizou uma digressão, com a Orquestra Sinfónica de Santa Catarina, por seis cidades brasileiras e, em 2011, efetuou uma série de espetáculos de fado ao piano, no Brasil.

Nascido em Évora, em 1971, o músico coordenou, em 2014 um projeto vídeo da Fundação Cultural Catarinense, em que registou a persistência de tradições açorianas na ilha de Florianópolis, nomeadamente as canções populares que são cantadas por pescadores e rendeiras.

NL // TDI

Lusa/Fim

Também poderá gostar


Sem comentários

ARTIGOS POPULARES