O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (3D), acompanhado pelo seu homologo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca (E), durante a visita à Escola Portuguesa de Cabo Verde, Cidade da Praia, Cabo Verde, 10 de abril de 2017. ANTÓNIO COTRIM/LUSA
O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (3D), acompanhado pelo seu homologo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca (E), durante a visita à Escola Portuguesa de Cabo Verde, Cidade da Praia, Cabo Verde, 10 de abril de 2017. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa, foi recebido com “foguetes” na Escola Portuguesa de Cabo Verde

Praia, 10 abr (Lusa) – O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi recebido com “foguetes” na Escola Portuguesa de Cabo Verde, mostrando-se impressionado com “a escola paraíso”, construída em três meses e onde estudam os netos do homólogo cabo-verdiano.

A visita à escola ocorreu ao final da tarde do segundo dia da visita do Presidente da República portuguesa a Cabo Verde, onde foi recebido pela direção da escola, professores, pais e alunos, que interromperam a pausa letiva da Páscoa para receber Marcelo Rebelo de Sousa.

Músicas de boas vindas e um simulacro de “foguetes” pelos alunos receberam o Presidente português que imediatamente se juntou à brincadeira, imitando com a boca o som de fogos-de-artifício a rebentar.

O Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, que também acompanhou a visita, foi informando que tinha dois netos a estudar na escola, no que foi prontamente corrigido por Marcelo Rebelo de Sousa: “São três”.

Os dois Presidentes descerram uma placa alusiva à visita e depois percorreram demoradamente todas as salas, havendo ainda espaço para mais brincadeiras, beijos, abraços e muitas, muitas “selfies”.

Tempo houve ainda para o Presidente português ouvir da diretora da Escola, Susana Maximiano, um pedido para que use a sua influência junto do Governo e, mais concretamente do Ministério das Finanças, para que seja possível desbloquear a verba de dois milhões de euros, em três anos, necessários para concluir a escola e permitir ensinar até ao 12.º ano

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou a capacidade da diretora por ter conseguido construir no tempo recorde de três meses a primeira fase da escola, que funciona atualmente apenas com o pré-escolar e primeiro ciclo.

“Isto é realmente espetacular! Esta escola é o paraíso”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Localizada na Cidadela, cidade da Praia, a construção da Escola Portuguesa de Cabo Verde arrancou em agosto e abriu em novembro com duas dezenas de alunos e o edifício ainda em obras.

Foi inaugurada oficialmente pelo primeiro-ministro, António Costa, a 20 de fevereiro, aquando a cimeira entre Portugal e Cabo Verde.

Atualmente conta já com mais de 50 alunos do pré-escolar, primeiro e segundo anos do primeiro ciclo e no próximo ano deverá ter já todos os quatro anos do primeiro ciclo a funcionar.

CFF // ARA – Lusa/Fim
O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (E), acompanhado pelo seu homologo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca (D), durante a visita à Escola Portuguesa de Cabo Verde, Cidade da Praia, Cabo Verde, 10 de abril de 2017. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (E), acompanhado pelo seu homologo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca (D), durante a visita à Escola Portuguesa de Cabo Verde, Cidade da Praia, Cabo Verde, 10 de abril de 2017. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Também poderá gostar


Sem comentários

ARTIGOS POPULARES